segunda-feira, 9 de maio de 2016

Dica de leitura

Oioioioioi Amores e Amoras, como foi o fim de semana de vocês? E o dia das mães? O nosso foi bem para baixo, com nossa avó hospitalizada e nossa mãe trabalhando, bem pelo menos alguém aqui tem sogra, e foi comemorar com ela.
Mas para todas as nossas leitoras mamães, esperamos que tenham tido o melhor dia das mães desse ano, porque néh meus amores e amoras todo dia é dia dessa nossa rainha que não importa como e nem oque ira passar sempre fara tudo pela gente.

Bom A dica de Leitura de Hoje é um Livro bem empolgante e é de um historiador italiano. Seu nome é Nicolau Maquiavél e sua principal obra é: O principe


Nicolaus Maclavellus historiador, italiano, filosofo. Escreveu e dedicou a obra o Príncipe em 1513 para Laurentium Medicem bancário e governante de Florença-Itália.  A qual faz conselhos aos governantes de como governar para manter um poder absoluto, de acordo com o seu pensamento politico, mesmo havendo a necessidade de usar as forças militares para que o objetivo de um governo sem falhas seja cumprido e a fortuna lhe venha a subir.
Foi depois de ser mandado para um exilio que Nicolau começa a escrever esta obra colocando nela toda a sua experiência na vida sociopolítica, o que não se sabe é se Lorenzo de médice chegou a ler tal obra.
Os primeiros capítulos tratam-se da forma de como se adquirem os principados e de quantas espécies são, dando ênfase a estratégias de batalha as quais ajudam a trilhar um governo absoluto soberano. É fazer uso do necessário para que seu governo venha a ser o melhor possível.
O Título de nobreza é hereditário quando o sangue senhorial é nobre há anos ou pode ser novo que pode ser um membro acrescido, e pode ser conquistado através da fortuna e da virtude. Podem ser república ou principado.
Quanto a perca de seu poder equivale à forma de governo, tem que ser temido, porém amado uma vez que ser temido e odiado pode haver revoltas de seus súditos e populares para a derrubada de seu poder.
O homem é tido como ambicioso, pois, sua fortuna é honra, poder, gloria e riqueza daí a forma de pensar de Maquiavel, por causa dessa ambição o homem tende agir diante de sua necessidade independente de qualquer coisa, pessoa ou situação tem-se ai o ditado que os “fins que justificam os meios”. Fazer primeiro para depois pensar e justificar a as consequências. Um príncipe deve sempre que necessário fazer uso da maldade e faze-lo de uma só vez, para que o bem seja feito gradativamente e seus súditos venham a lembra-lo pelo bem que ele esta fazendo e não pelo mal que já causou, tem que agir cautelosamente sem se importar de ser cruel para manter seu povo sempre lealmente unido.
Deve-se saber combater da maneira que homens e animais fazem com leis e força porque na maioria das vezes a maneira com que se combatem os homens com as leis não é eficaz, tendo como um modelo uma raposa e um leão, onde a raposa contém inteligência, astucia e um leão a força.
Segundo Maquiavel não é necessário ter estas qualidades ao menos tem que passar que as possui.
Para Maquiavel um governo não precisa se abster das divindades, não tem que ser sempre ético e moral e sim fazer o que for necessário, haverá momentos em que as leis divinas terão que ser usadas e outros em que a crueldade será feita, a virtude ai passa a ser uma característica própria do governante, que deve parecer cautelosamente bondoso, altruísta e religioso.

6 comentários:

  1. Muito boa a dica. Ainda não conhecia o autor e nem a obra, mas já me empolguei pela leitura.
    Bjus!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim é uma excelente leitura e muito gostosa e envolvente que nos leva a pensar se é certo o que Maquiavel diz com os dias atuais de governo.

      Excluir
  2. Ainda não li o livro, mas me recordo de já ter visto ele em alguma livraria.
    beijos!
    www.garotadelicada.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro mais de cunho estudantil, porém é uma leitura fantástica.

      Excluir